Publicações

Ilícito, de Moisés Naim

Para quem busca compreender mais sobre o comércio ilícito no início do século XXI, uma boa leitura é “Ilícito – O ataque da pirataria, da lavagem de dinheiro e do tráfico à economia global”, de Moisés Naim (publicado no Brasil em 2006, Jorge Zahar Editor).

O livro (que em muitos aspectos está desatualizado) ajuda a compreender que muitas coisas que parecem ocorrer no âmbito local ou nacional refletem problemas globais. Publicado em 2006, explora os problemas da globalização pós-Guerra Fria, como comércio ilício, lavagem de dinheiro e, em determinado ponto, assume que o Estado não controla mais o fluxo de pessoas e mercadorias.

É um livro excelente para quem interessa por estes temas. O ponto forte do livro é chamar a atenção para problemáticas tão contundentes e propor que o combate aos ilícitos precisa de mais inteligência e tecnologia. O ponto fraco é a quantidade de informações sem a devida referência de fontes e as menções generalistas.

Por exemplo: ao mencionar Cidade do Leste, no Paraguai, faz uma descrição de aspectos negativos corroborando com a visão de que só há tráfico, contrabando e lavagem de dinheiro. A realidade é mais complexa desde a década de 1990: há estes (e muitos outros) ilícitos, porém a simbiose entre lícito e ilícito e a dinâmica comercial possui outros ingredientes que são negligenciados na análise. Se esta assertiva vale para outros lugares mencionados, a leitura torna a análise do leitor limitada.

Padrão

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.